Ponta arco-íris – como cheguei nela?

Está com vontade de colorir seu cabelo num tom exótico? Eu também me joguei nessa tentação e vou contar meu passo a passo que resultou num belo e “até-que-discreto” arco-íris nas pontas.

Começando pela referência, viajei para o Japão e me apaixonei pelos tons que as garotas orientais estão investindo (Harajuku Girl). Minha ideia inicial era fazer o meu cabelo castanho escuro virar chumbo através da coloração cinza (ash). Sem descolorir nem nada, apliquei a tintura e tive uma grande decepção: não aconteceu sequer uma leve mudança.

O motivo era simples: meus fios são escuros e não naturais (pois passo castanho 5.0 para cobrir alguns fios brancos).

tinta-cabelo-cinza

Essa foi a tinta japonesa que não fez nem cócegas no meu cabelo castanho escuro 🙁

Como eu estava do outro lado do mundo e sem a menor intenção de descolorir os fios por lá, com medo de fazer alguma besteira e acabar careca, resolvi segurar a onda até chegar em Londres.

De volta ao reino de Elizabeth II, tive certeza que não daria para brincar de “cabelo de pônei” sem me jogar num bom e velho descolorante.

Mas antes de partir para esse lado, testei uma nova linha da Garnier com fundo azulado. Resolvi passar em todo o cabelo o tom 3.10 Ultramarine Collection e o resultado foi um preto com fundo azul marinho. Não é preto azulado, pois ele fica marinho mesmo, até na luz artificial, mas não consegui um bom resultado através de fotos, então coloco o vídeo aqui para vocês terem uma ideia:

E a cor do final do vídeo mostra exatamente como ficou o meu cabelo antes castanho avermelhado, porém o marinho durou apenas três lavagens.

Pois é, eu ia lavando e vendo uma espuma azulada saindo dos meus fios. Com ela escorria pelo ralo o cabelo azul tão querido. Mas não foi de todo ruim, pois o castanho escuro/preto que ficou após o azulado partir era lindo e com um fundo cinza, que era o meu plano inicial.

cabelo-preto

E esse é o cabelo preto após passar a coloração azul da Garnier. Ok, já tinha saído o azul com a lavagem, mas o preto ficou com brilho frio (nada avermelhado). Aliás, que brilho!

 

Depois de duas semanas resolvi que era hora de experimentar algo mais ousado!
Como as pontas do meu cabelo já estavam em petição de miséria, resolvi descolorir para brincar com o tom azul claro. O máximo que ia acontecer era ver meu cabelo ficar elástico e cair. E esse era um preço que eu pagaria se necessário, pois de qualquer forma cortaria as pontas.

tinta-cabelo-azul-claro

Dupla dinâmica: Esse descolorante da Jerome Russell é simplesmente incrível! Ele muda até seis tons do cabelo e não deixa com aquele alaranjado uó. Para o azul, Live Color XXL, da incrível Schwarzkopf.

Passei descolorante (um da L’Oréal que não anotei o nome, sorry!) por 30 minutos e só amarelou de leve, ou seja, ainda estava muito escuro para passar o turquesa. Aguardei uma semana e passei novamente o descolorante por 30 minutos (Jerome Russell).

Dessa vez os fios ficaram num loiro claro (pontas) e caramelo (um pouco acima, onde não apliquei tanto blonder)! Na sequência já passei o azul  (30 minutos) e consegui o tom desejado, além do efeito arco-íris do ombré levemente caramelo (do começo da segunda descoloração).

cabelo-arco-iris

E assim ficou o meu cabelo de pontas arco-íris! Que felicidade! Agora só preciso dar uma hidratada, pois os fios não são de ferro e descolorir dá nisso mesmo de deixar seco, mas pelo menos é só nas pontas.

Desbotar
A verdade é que agora minha preocupação com os fios fica no desbotamento do azul claro, que acontece a cada 5 lavagens, e no aspecto ressecado de quem passou duas vezes descolorante sem pensar na saúde dos fios. Para esse segundo problema estou testando alguns cremes poderosos, então em breve terá um novo post. Sobre a cor, minha ideia é fazer retoque a cada duas semanas,quando o azul quase partir e ficar com cor de algodão doce.

Cabelo cresce
Tomando todas as medidas para não ter uma reação alérgica e também só arriscando a saúde das pontas, que não me importaria em cortar, achei a experiência maravilhosa e libertadora, pois sempre quis fazer isso e nunca tive coragem, então as vezes correr um certo risco é divertido.

A ajuda
Só consegui fazer isso com a ajuda de uma amiga que tem o cabelo assim:

cabelo-talita

Essa é a minha colorista e musa inspiradora! Ela faz o cabelo dela sozinha e deixa muito profissional de boca aberta!

Ela me deu a grande dica de fazer o ombré perfeito, sem ficar com cores chapadas (parecendo listras): Use o pincel de coloração na vertical e não na horizontal. Mas nossas técnicas não são nada profissionais, então se o teu negócio é segurança, procure um colorista com boa reputação no mercado e divirta-se.

Para tirar dúvidas sobre essa minha investida para ficar tipo um unicórnio é só enviar um e-mail: paula@jornaldamodabrasil.com.

LEMBRANDO QUE todo cuidado é pouco quando mexemos com química! Cuidado, principalmente, com sua pele, olhos e couro cabeludo.

FAÇA O TESTE CONFORME SUGERIDO NA CAIXINHA DA COLORAÇÃO E SÓ USE PRODUTOS CERTIFICADOS PARA CONSEGUIR CORES INCRÍVEIS.

Fotos: Paula Roschel.